< Miradouro da alma: De cada vez

29 maio 2006



De cada vez



Contínua realidade que me sorves os dias
como hei-de responder-te se vives incluída
dos meus olhos abertos nas ávidas e frias
pedras incertas vida

prisioneira do espelho que embacias
de cada vez que a turva suicida
torna ao morrer visíveis
as formas com que comes os meus dias


Gastão Cruz

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home