< Miradouro da alma: Como um eco

16 março 2006



Como um eco


Não tinhas
nome. Existias
como um eco
do silêncio. Eras
talvez
uma pergunta
do vento.

Albano Martins

0 Comentários:

Enviar um comentário

<< Home